sexta-feira, 17 de maio de 2019

Nova Rede de Cultura

Logomarca da nova rede de cultura.

Nosso museu sempre está em busca de parcerias para fomentar uma de nossas missões institucionais, qual seja a de "estimular ações culturais em seu território". Desde o fim de 2018 estamos associados a uma nascente rede de cultura: a Rede Cultural do Campo de Santana. Congregando várias instituições da região e com o objetivo de promover em conjunto a proteção, a valorização e a governança da Praça da República, onde está localizado a maior área verde do Centro - o Campo de Santana, que, por sua importância, é tombado como patrimônio histórico artístico e paisagístico pelo Estado do Rio de Janeiro e pela União. São instituições tais como a Centro Cultural da Casa da Moeda, o Centro Cultural da Light, a Casa de Deodoro, a Fundação Parques e Jardins, o Museu do Corpo de Bombeiros, o Palácio do Itamaraty, entre outras que estão começando a juntar esforços no sentido da preservação e valorização da região.

Um dos motivos pelos quais estimulamos a criação desta rede encontra-se o chamado "Circuito Sítios Históricos da República", criado pelo Museu da República e pelo nosso museu. O circuito tem como principal interesse a valorização dos lugares vinculados à proclamação e consolidação da República brasileira. Através de um roteiro turístico orientado, promovemos a visitação e a interpretação destes sítios históricos que estão localizados da cidade do Rio de Janeiro. Lançado em 2009, o projeto completa 10 anos e já atendeu a centenas de participantes, tendo, também, capacitado guias de turismo e professores. Em 2019, celebramos a primeira década do projeto e retornamos com mais uma edição, agora integrando a Rede Cultural do Campo de Santana, para que juntos pensemos o desenvolvimento e consolidação do turismo de interesse histórico, artístico, museológico e cultural.

Monumento a Benjamin Constant no Campo de Santana.


Além dos pontos turísticos obrigatórios do circuito que se localizam bem na região do Campo de Santana como a Casa de Deodoro e o Palácio do Itamaraty, temos, na Praça da República, um monumento erigido em homenagem a Benjamin Constant. Tal monumento foi idealizado, financiado e erguido pelos Positivistas desde 1893, e inaugurado em 1926. Cheio de simbolismos, uma das curiosidades da obra é que o conjunto escultórico que destaca Benjamin Constant e Maria Joaquina, sua esposa, é fruto da fundição de dois canhões, um brasileiro e outro paraguaio. A razão do ato, ocorrido na década de 1920, foi enfatizar a necessidade de reparação das perdas paraguaias na Guerra da Tríplice Aliança e concretizar a fraternidade entre as duas nações sul-americanas.

Algumas caminhadas tem sido realizadas com guias de turismo para propagação da história de região e acreditamos que, com o passar do tempo, o turismo histórico do centro do Rio contará com mais esta atração bem consolidada e reconhecida por muita gente.