sexta-feira, 17 de maio de 2019

Nova Rede de Cultura

Logomarca da nova rede de cultura.

Nosso museu sempre está em busca de parcerias para fomentar uma de nossas missões institucionais, qual seja a de "estimular ações culturais em seu território". Desde o fim de 2018 estamos associados a uma nascente rede de cultura: a Rede Cultural do Campo de Santana. Congregando várias instituições da região e com o objetivo de promover em conjunto a proteção, a valorização e a governança da Praça da República, onde está localizado a maior área verde do Centro - o Campo de Santana, que, por sua importância, é tombado como patrimônio histórico artístico e paisagístico pelo Estado do Rio de Janeiro e pela União. São instituições tais como a Centro Cultural da Casa da Moeda, o Centro Cultural da Light, a Casa de Deodoro, a Fundação Parques e Jardins, o Museu do Corpo de Bombeiros, o Palácio do Itamaraty, entre outras que estão começando a juntar esforços no sentido da preservação e valorização da região.

Um dos motivos pelos quais estimulamos a criação desta rede encontra-se o chamado "Circuito Sítios Históricos da República", criado pelo Museu da República e pelo nosso museu. O circuito tem como principal interesse a valorização dos lugares vinculados à proclamação e consolidação da República brasileira. Através de um roteiro turístico orientado, promovemos a visitação e a interpretação destes sítios históricos que estão localizados da cidade do Rio de Janeiro. Lançado em 2009, o projeto completa 10 anos e já atendeu a centenas de participantes, tendo, também, capacitado guias de turismo e professores. Em 2019, celebramos a primeira década do projeto e retornamos com mais uma edição, agora integrando a Rede Cultural do Campo de Santana, para que juntos pensemos o desenvolvimento e consolidação do turismo de interesse histórico, artístico, museológico e cultural.

Monumento a Benjamin Constant no Campo de Santana.


Além dos pontos turísticos obrigatórios do circuito que se localizam bem na região do Campo de Santana como a Casa de Deodoro e o Palácio do Itamaraty, temos, na Praça da República, um monumento erigido em homenagem a Benjamin Constant. Tal monumento foi idealizado, financiado e erguido pelos Positivistas desde 1893, e inaugurado em 1926. Cheio de simbolismos, uma das curiosidades da obra é que o conjunto escultórico que destaca Benjamin Constant e Maria Joaquina, sua esposa, é fruto da fundição de dois canhões, um brasileiro e outro paraguaio. A razão do ato, ocorrido na década de 1920, foi enfatizar a necessidade de reparação das perdas paraguaias na Guerra da Tríplice Aliança e concretizar a fraternidade entre as duas nações sul-americanas.

Algumas caminhadas tem sido realizadas com guias de turismo para propagação da história de região e acreditamos que, com o passar do tempo, o turismo histórico do centro do Rio contará com mais esta atração bem consolidada e reconhecida por muita gente.

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Educação no MCBC: de Benjamin Constant aos dias de hoje



É bastante apropriado falarmos sobre o quesito EDUCAÇÃO em nosso museu. Dos tempos de Benjamin Constant, até os nossos dias, é possível dizer que é um assunto que sempre esteve em destaque nesta casa. Como esquecer que nosso Patrono e Fundador da República sempre a teve como preocupação principal? Sua frase mais importante, declarada já na proclamação da nascente nação, “O engrandecimento da República repousa essencialmente sobre a educação”, é a que o distingue perante outros herois da república. Como esquecer sua paixão por ser professor e seu interesse em estar sempre junto a seus alunos? Como deixar de lado sua preocupação em educar suas filhas, e letrá-las todas, numa época que cabia às mulheres aprender apenas os ofícios do lar e do casamento?

Sua militância, se podemos usar a palavra, era a ciência e a educação. Benjamin Constant tinha um objetivo pessoal que levou consigo durante seus dois últimos anos de vida: reformar o ensino no Brasil. Muito se esforçou para isso, recusou trabalhos que poderiam lhe trazer prestígio e antes de morrer conseguiu submeter o projeto de reforma do ensino público brasileiro.

Visita teatralizada com atores encenando a vida de Benjamin Constant e sua esposa.


Assim sendo, desde a montagem, passando pela fundação e no dia a dia de nosso museu, a educação não poderia ter um lugar de menor importância. Por ser um museu histórico é claro que esta característica seria forte, mas sempre coube ao setor educativo um certo destaque.

Muitas foram as iniciativas educativo culturais focadas principalmente na educação infantil realizadas em nosso museu casa. De visitas mediadas a encenações teatralizadas, passando por materiais de apoio didático com os quais as turmas de alunos, auxiliadas por nossos mediadores e orientadores educativos sempre foram estimulados a aumentar seu conhecimento. E por termos um enorme parque natural, isto ainda foi mais intensificado/incentivado. A horta orgânica, as mudas, a reciclagem e a sustentabilidade, o conhecimento sobre as plantas e flores, os microorganismos do solo, os pequenos animais da fauna de nosso parque, tudo isso pode ser visto em um breve passeio pelo parque.

Caderno educativo preparado para crianças.
Nosso setor educativo desenvolveu três circuitos museais para facilitar a visitação e o guiamento das visitas: República, Família e Meio Ambiente são os eixos temáticos que podem ser escolhidos por cada visitante para saber mais profundamente a respeito de algum assunto que permeia a história de Benjamin Constant e da Família Botelho de Magalhães. Além disso todos podem ser treinados. Há material para treinamento de professores, guias de turismo, mediadores do dia a dia do museu, sem falar do caderno educativo criado especialmente para o público infantil que visita o museu. Há também folders gratuitos distribuídos ao todos os visitantes e catálogos que podem ser adquiridos contando em detalhes sobre nossos acervos, casa, parque e circuitos de visitação. São realmente materiais de apoio sempre atualizados que contribuem para o sucesso de qualquer visita.

Sempre recebemos grupos e preparamos visitas com eixos temáticos especiais, especialmente escolas. Neste período de obras temos feito o possível para atender a pesquisadores apenas com nossos acervos documental, fotográfico e bibliográfico disponíveis, mas assim que estivermos reabertos, toda a museografia estará revista e ainda mais 'vívida', se é que assim podemos dizer, de forma a atender nossos objetivos. Muita coisa está sendo construída para que o museu se apresente de forma ainda mais vibrante. Estamos certos de que o eixo educativo cultural de nosso museu ainda será mais interessante.