sábado, 24 de junho de 2017

Benjamin Fraenkel: um neto viajado


Ao iniciar a montagem de nosso Museu Casa, a museóloga Hercília Viana contou com o auxílio de alguns conhecedores da casa como era no tempo de Benjamin Constant. Um deles foi seu neto, Benjamin Constant Fraenkel, nascido no ano em que falecera seu avô, 1891. Filho de Aldina e do alemão Karl Fraenkel, Benjamin Fraenkel fez seu relato em 1975, já com 84 anos, mas foi pleno em suas memórias. Neste pequeno trecho, conta por onde andou até voltar a residir no Rio de Janeiro, em casa de seu avô materno, ainda com sua avó viva, Maria Joaquina. Vejam que maravilha:

Ainda um bebê, Benjamin Fraenkel viaja para Berlim.


Com nove meses de idade fui para Berlim (1891), para onde meu pai havia sido nomeado Cônsul. De Berlim, lembro-me da casa em que moramos, do Jardim de Infância que frequentei e dos passeios que fazíamos à floresta, acompanhados das professoras entoando os alegres cânticos escolares alemães.

Uma das fases infantis ele passa em Estocolmo, na Suécia.

Meu Pai sendo transferido para Estocolmo (1897), ainda frequentei aí o Jardim de Infância e, lembro-me bastante do que lá passei. Mais crescido já, ouvia sempre com muito interesse a minha querida Mãe, falando em português, como sempre em casa se falou, relembrar (do)ndo, com carinho, a Família distante e os fatos passados, despertando em mim o desejo imenso de conhecer minha Terra.

Chega ao Brasil de volta passando por Salvador, na Bahia, e relata sua visão de frutas tropicais.
Transferido o meu Pai para o Salto, ia a Família, de passagem, passar uns dias no Brasil. Já em Salvador (1899), o aspecto da terra era tão diferente! Foi em Salvador que eu fui ver, pela primeira vez o abacaxi, a banana, a quantidade de pretos que eu nunca tinha visto.

A alegria era tanta, era tão grande, que compensava a tristeza de ter deixado meus dois irmãos mais velhos, Cláudio e Walter, na Alemanha fazendo o curso ginasial. Mas, faltavam ainda alguns dias para chegarmos ao Rio de Janeiro; para (e)constatarmos tudo o que a nossa boa Mãe dizia.

De volta ao Rio de Janeiro, sua cidade natal que ainda não conhecia, com aproximadamente 10 anos
de idade, surpreende-se com tanta gente e com o Plano Inclinado!
 Chegamos, enfim, ao querido Rio (1900). Ainda não havia o cais. O navio ficava ao longe e uma grande quantidade de barcos, com gente que vinha esperar os parentes e amigos, outros, com frutas para vender aos passantes, lanchas, todos fazendo um barulho tão grande, um falatório todo em português, que eu não me lembrar quem é que foi ao nosso desembarque e como cheguei ao Plano Inclinado! (...)”

O primeiro cais do Rio foi construído em 1910, quando Fraenkel já completava 19 anos. Portanto calculamos de forma muito aproximada, os anos em que ele passara pelas cidades citadas (entre parêntesis em sua carta).

#TravelsMW #MuseumWeek

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar. Sua visita é muito importante para nós!