quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Acervo documental da Igreja Positivista é reconhecido pela UNESCO

Na fachada da Igreja Positivista aqui no Rio, um dos seus lemas.

Conforme falamos neste post, fomos chamados a colaborar com a recuperação da Igreja Positivista,, o que nos levou a participar de alguns eventos, ações e pesquisas dentro do acervo da igreja, que se encontra bastante degradado. Uma "força tarefa" composta por representantes do IBRAM, IPHAN, INEPAC e da Superintendência de Museus do Estado do Rio de Janeiro se comprometeram com a recuperação manutenção deste marco da memória de nossa cidade - e também de todo o país.

Nosso historiador Marcos Lopes (à esquerda), analisando um documento
que poderia ser incluído no "Memória do Mundo".

Também chamada "Templo da Humanidade", o telhado da igreja sofreu um desabamento de uma de suas partes em 2009, e desde então seu acervo corre sério risco de se perder definitivamente. Como o espaço já é tombado como Patrimônio Cultural Brasileiro nas três esferas de poder - municipal, estadual e federal - vários órgãos da cultura se envolveram nesta empreitada, que já rendeu frutos!

Uma das publicações da Igreja Positivista Brasileira, à época de sua criação,
incluído no grupo de documentos do "Memória do Mundo".


Uma das primeiras ideias foi a de inscrever o acervo da Igreja Positivista no edital Memória do Mundo, da UNESCO. O trabalho de leitura, catalogação e apresentação foi realizado pela equipe multidisciplinar e contou com servidores e estagiários do IBRAM, IPHAN, INEPAC e da Superintendência de Museus do Estado do Rio de Janeiro. O material selecionado é um conjunto de publicações produzidas pela IPB entre a época de sua fundação (cerca de 1881) e meados do século XX, e foi apresentado à entidade internacional sob o título de “República e Positivismo: A Produção Intelectual da Igreja Positivista do Brasil”.

E deu certo! O Comitê Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da UNESCO (MoWBrasil) anunciou os vencedores em 23 de setembro e entre eles estavam os documentos da Igreja Positivista. Agora, esse conjunto de obras é considerado um acervo com valor de patrimônio documental da Humanidade!

Segundo nota do blog da Igreja Positivista, "trata-se de um registro excepcional da irradiação do positivismo em território nacional. O reconhecimento de seu grande valor documental representa um passo importante para a IPB, cujos esforços têm se concentrado na preservação, restauro e divulgação destes acervos, em estado de conservação precário desde o desabamento do telhado de sua sede, o Templo da Humanidade, ocorrido em 2009."

No próximo dia 10 de dezembro, no Arquivo Nacional, aqui no Rio, haverá a cerimônia de entrega do certificado de nominação no Registro Nacional do Brasil aos acervos nominados em 2015.

Fazemos votos que esse patrimônio esteja ainda mais protegido e fortalecido, de modo a conservar um pedaço importante da história de nosso país.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

O dia da bandeira


Hoje, 19 de novembro, comemoramos o Dia da Bandeira. Para registrarmos a data, criamos esta singela homenagem, com um belo poema do escritor Murillo Araújo e algumas imagens interessantes com este símbolo nacional tão importante e tão caro a nosso Museu.


Considerada a maior do mundo, a impressionante bandeira da Praça dos Três Poderes em Brasília tem cerca de 286 metros quadrados e é hasteada solenemente todo primeiro domingo do mês em mastro com 100 metros de altura.

Alpinistas brasileiros chegam ao topo do Monte Everest, o mais alto do mundo, localizado no Himalaia, e registram o feito com foto de nossa bandeira. 


O Papa Francisco, em visita oficial, ao lado de nosso símbolo Auriverde.



Sir Paul McCartney, em show no país, conquistando o público com ela.



Em "suporte improvisado", popular monta uma bandeira nacional com fitas.



COM AS ESTRELAS NATAIS

Murillo Araújo

Alta, nas nuvens e nos ventos, alta,
no turbilhão se enrola e se levanta.
Como a bandeira de heroísmo salta!
Como a bandeira de heroísmo canta!

Ondeia audaz. Sonha nos grandes mastros
por entre incandescências de arrebóis.
Vibram em suas asas de ouro e de astros
as almas legendárias dos heróis.

Oh contemplar assim, por toda a vida,
os seus clarões sublimes e supremos!
Resplende, em sua rama enflorescida,
o céu de estrelas sob o qual nascemos.

No exílio… à morte, pela terra imensa,
possamos vê-la rútila e imortal…
e se a tivermos sobre nós suspensa
nós dormiremos sob o céu natal.

Retirado de "A Estrela Azul: poemas para crianças", 1940 em "Poemas Completos de Murillo Araújo"

terça-feira, 17 de novembro de 2015

República de Herois no 15 de novembro

O grupo "musical teatral e historiador" pronto para começar a apresentação.

Conforme anunciamos no post anterior, no último domingo, dia 15 de novembro, Proclamação da República, recebemos o grupo História Através da Música que fez uma leitura dramatizada de seu espetáculo "República - Era de Heróis" aqui em nosso parque. Foi mais uma apresentação bela, emocionante e muito cultural, onde a música popular brasileira - mais notadamente o samba e o chorinho - contou um pouco de nossa história com facilidade.

Composições de músicos como Orestes Barbosa, Noel Rosa, Aldir Blanc, Chico Buarque e sambas de enredo de escolas de samba famosas tais como a Mangueira, a Em Cima da Hora e a Imperatriz Leopoldinense passaram pelas vozes e instrumentos dos músicos deixando claro que compositores de todos os tipos sempre encontraram inspiração em nossa história para criar lindas partituras.

O espetáculo em cartaz no Centro Cultural da Justiça Federal.

Além dos números musicais, personagens importantes tais como Tiradentes, Getúlio Vargas e - é claro - Benjamin Constant, foram "incorporados" pelo ator Gustavo Arthiddoro, para dar seus "recados", há muito esquecidos . Veja abaixo um trechinho de Benjamin Constant falando sobre a Guerra do Paraguai.


O historiador Romney Lima fez uma série de incursões balizando música, teatro e história, explicando as referências a uns e a outros de forma muito clara e concisa. E o grupo continua se apresentando até o próximo dia 20 de dezembro no Centro Cultural da Justiça Federal, aqui no Rio. O show é "Rio, Histórias Além do Mar" que, na mesma linha de "dramaturgia musicada" do espetáculo que aconteceu em nosso museu - associa mais facilmente, tanto para jovens quanto para adultos, a linha do tempo da história. Recomendamos!

Nossa diretora Elaine Carrilho, ao fim do espetáculo, fala sobre a 
importância de se manter espaços culturais e sobre Benjamin Constant.


Serviço:
Espetáculo "Rio, Histórias Além do Mar"
Com o grupo História Através da Música
Centro Cultural da Justiça Federal
De sexta a domingo às 19h
Até 20 de dezembro

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

A República e o Rio: comemorando a Proclamação


São muitos os motivos pelos quais a República brasileira teve início na chamada "Cidade Maravilhosa", o Rio de Janeiro. Obviamente que "a história estava aqui", e isso já seria motivo suficiente para tanto. Mas, tendo sido transformado de colônia portuguesa a país independente nas margens de um rio paulista, o Brasil poderia. em tese, ter se tornado República em outro ponto do território nacional.

Mas não foi assim e temos todo o processo republicano se passando aqui mesmo, em nossas ruas, em nossos bairros. Uma herança grande e forte que lembra a cidade no ano de 1889, fim do século XIX. Capital do Império e com vocação para muito mais, foi aqui que tudo aconteceu. Temos portanto uma ligação muito forte entre cidade e acontecimento, entre lugar e pessoas, entre época e fatos.

O grupo "História Através da Música".
Daí que, para comemorarmos os 126 anos da Proclamação desta República muito discutida - naquele então e agora - buscamos o grupo "História Através da Música", que trouxe o espetáculo "Rio, Histórias Além do Mar", para se apresentar em nosso parque, bem no dia 15, data da proclamação.

Nascido em 2001 no Rio de Janeiro, o grupo é fruto de encontros, reflexões e debates entre professores de História que têm a Música Popular Brasileira – especialmente o samba e o choro – como objeto de estudo e pesquisa. A proposta inicial foi a de ensinar História do Brasil tendo a música como principal ferramenta didática e motivadora de aprendizagem. Mas este pensamento cresceu, transformando-se em um projeto educativo cultural que conta atualmente com nove integrantes, a maior parte músicos, sendo dois deles professores de história.

Trata-se de uma verdadeira aula espetáculo que tem a História do Brasil como tema. O trabalho do grupo preza pela teatralidade, com a inclusão de literatura, poesia e até artes plásticas na construção dos espetáculos. Em cerca de 80 minutos o grupo toca sambas e choros que seguem uma linha temática dentro da História de nosso país, com a participação do público, inclusive.

O grupo em cena, interpretando "Rio, Histórias Além do Mar".

Rio, Histórias Além do Mar” é um “espetáulaco” (misto de espetáculo e aula) que vai da história da cidade - lembrando a comemoração de seus 450 anos - aos herois da república. O personagem "Crioulo Doido" (interpretado por Gustavo Arthiddoro) é o cicerone do espetáculo: símbolo do carioca de espírito alegre, que faz troça com a própria desgraça, questiona e critica pelo humor, como fazem a maioria dos compositores escolhidos para o repertório apresentado. Mas muitos outros personagens virão ter com o público durante o espetáculo.

E fazemos o convite a vocês: no próximo domingo, dia 15 de novembro, à tarde, venham conhecer um pouco mais da nossa história dentro de um ambiente cheio delas. Não perca!

Serviço: 
Espetáculo "Rio, Histórias Além do Mar
Parque do Museu Casa de Benjamin Constant
Dia 15 de novembro, domingo, às 14h30

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Destaques da comemoração do V Centenário de Santa Teresa

Até um dos novos bondes - em teste no bairro - participou de um dos eventos.
Como se sabe - veja o convite aqui (ou reveja) - entre os dias 15 e 18 de outubro últimos, a Santa Rede - Rede das Instituições e Produtores Culturais de Santa Teresa - realizou uma série de eventos por ocasião do V Centenário de Santa Teresa, padroeira de nosso bairro. Neste post, fizemos um resumo fotográfico de alguns desses momentos para deixar de lembrança.


As crianças do Ballet de Santa Teresa iniciaram no dia 5/10 a peregrinação do painel que elas mesmas compuseram para o "Arte de Portas Abertas" (que aconteceu em julho), com a imagem de Santa Teresa: no lugar da face, um espelho, significando que cada um de nós deve resgatar seu "Castelo Interior". O traslado foi feito entre igrejas e escolas do bairro.

Na manhã do dia 15, após a missa no Carmelo, um dos bondes em teste no bairro veio buscar o painel para levá-lo até o Largo do Curvelo, de onde foi levado ao Parque das Ruínas, local da cerimônia oficial de abertura das comemorações.


Na tarde do dia 15/10, após a abertura, houve apresentação do espetáculo "O Castelo de Teresa" no Parque das Ruínas, com coreografia especial do Ballet de Santa Teresa para a data. Foto de Giulia Santos



Na noite de 16/10, Vania Queiroz, diretora do Ballet de Santa Teresa, apresentou uma palestra sobre a vida da santa no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo.


Logo depois, o auditório do Centro Cultural foi palco para uma apresentação de Dança Flamenca com dançarinos do Estúdio Denise Tenório, da Escola de Dança Espanhola Mabel Martin da Casa de Espanha e do Instituto Cervantes.


No sábado e no domingo - dias 17 e 18/10 - bares e restaurantes do boêmio bairro do Rio, ofereceram um Roteiro Gastronômico com alguns pratos da culinária espanhola.


Também no fim de semana artistas plásticos realizaram uma versão 'pocket' do "Arte de Portas Abertas". E veio gente ver!


Na manhã de sábado, dia 17/10, o grupo "Poesia no Parque" apresentou "A Poesia das Castanholas", com obras de Santa Teresa e de outros autores espanhois, nos jardins de nosso Museu.

Para fechar com chave de ouro, no domingo, dia 18/10, o Coral "Encanta Santa" apresentou-se em nosso Museu.

Estamos certos de que muitos outros eventos (ou "maratonas de eventos"), aconteçam sob a batuta da Santa Rede. Estamos participando!