sexta-feira, 23 de outubro de 2015

V Centenário de Santa Teresa - "A Poesia das Castanholas", em nosso parque

Feliz O Que Ama A Deus  
 Santa Teresa de Ávila "Ditoso o coração enamorado

Que só em Deus coloca o pensamento;
Por Ele renuncia a todo o criado,
Nele acha glória, paz, contentamento.
Vive até de si mesmo descuidado,
Pois no seu Deus traz todo o seu intento.
E assim transpõe sereno e jubiloso
As ondas deste mar tempestuoso."

No início do encontro, nossa diretora Elaine Carrilho
dá boas vindas aos presentes.
Todos os eventos vinculados à comemoração do V Centenário de Santa Teresa realizados entre os dias 15 e 18 deste mês, promovidos pela Santa Rede - coletivo de instituições e produtores culturais de nosso bairro - foram dos melhores. Muita coisa ainda há que se ver e se comentar mas, no momento, vamos nos ater aos acontecimentos aqui, de nosso museu. No último sábado - conforme anunciado aqui - o Grupo Poesia no Parque fez uma belíssima apresentação de poesias ao lado de nosso caramanchão. "A Poesia das Castanholas" incluiu textos de Santa Teresa de Ávila - grande autora espanhola, inclusive de poesia, prosa e livros educativos - e autores espanhois como Miguel de Unamuno e Federico de García Lorca.

"Horas de espera, vacías.
Se van pasando los días
sin valor
y va cuajando en mi pecho
frío, cerrado y deshecho
el terror.(...)"

Miguel de Unamuno

Foram declamadas poesias em português e em espanhol.


Foi um dos encontros mais emocionantes que já realizamos em nosso espaço verde. Toda a história de Santa Teresa e da poesia espanhola foi esquadrinhada e apresentada em um belíssimo roteiro preparado por Luisa Benevides e Miriam Ribeiro, sob a curadoria de Ninfa Parreiras. Todos os que declamaram poesias se encantaram tanto com a beleza das inspirações dos autores tanto quanto com a língua espanhola em si que, com sua musicalidade, consegue transmitir o sentimento do poeta, mesmo que não a entendamos à perfeição.

Encruzilhada

García Lorca

"Vento do Leste,
um farol
e o punhal
no coração.
A rua
tem um tremor
de corda
em tensão,
um tremor
de enorme moscardo.
Por todas partes
eu
vejo o punhal
no coração.
"


Ao fim do encontro, o grupo e alguns dos assistentes
entraram na foto de registro do evento.


Abaixo segue um vídeo com trecho do poema "Vivo Sem Em Mim Viver" de autoria de Santa Teresa:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar. Sua visita é muito importante para nós!